Plataformas do sistema financeiro já utilizam o Blockchain


Plataformas do sistema financeiro já utilizam o Blockchain

Na primeira conferência internacional sobre tecnologia realizada no Brasil, foram apresentadas na Emerging Links, as mais destacadas propostas de utilização do Blockchain.

Calcula-se que existam mais de 40 plataformas inspiradas no conceito Blockchain, que logo após a crise financeira de 2008, surgiu como uma solução para dar maior confiabilidade nas transações feitas entre pessoas e organizações. O Blockchain original age como um banco de dados e uma organização ponto a ponto, onde os registros de transações permanecem distribuídos entre milhares de computadores. Isso garante a integridade das transações, sendo impossível altera-las.

Dessa formulação originam-se as demais plataformas, algumas delas preservam o modelo Open Source do Blockchain, e outras são elaboradas como soluções próprias. As que mais se destacam são as plataformas Ethereum, que tem apoio da Microsoft; a Hyperledger, uma iniciativa da IBM; e a Corda, nascida dentro do Consórcio R3 – que reúne mais de 50 instituições financeiras em nível global, mas que caminha para ser incorporada ao Projeto Hyperledger.

O arquiteto da indústria bancária e do mercado financeiro da IBM Brasil, Luiz Fernando Jeronymo, um dos palestrantes do evento Emerging Links, disse: “A IBM já vinha desenvolvendo um código base blockchain mas entendeu que, para ter sucesso, ele deveria ser Open Source, uma vez que a rede é colaborativa. Em dezembro de 2015, junto com dezenas de empresas como Intel, Cisco e Hitachi, levou a iniciativa para a Linux Foundation e criou o Projeto Hyperledger”.

Ele ainda explica que Hyperledger é um projeto com várias iniciativas. Entre elas está a que é conduzida pela própria IBM, dando continuação ao projeto original da empresa Hyperleger Fabric, que já foi 50% modificado pelo conjunto desenvolvedores. Outra frente é o Saw Tooth Lake, que é comandado pela japonesa NTT. E por fim, o Corda, do R3, que, no final de 2016, decidiu modificar sua plataforma Open Source, adaptando-se ao Projeto Hyperledger.

O executivo sênior da Microsoft para serviços financeiros e especialista em Blockchain, Gustavo Paro, um dos palestrantes do Emerging Links  esclarece que, assim como o Hyperleger e o Corda, o Ethereum utiliza protocolo aberto e seu desenvolvimento é realizado por uma comunidade de mais de 30 mil desenvolvedores. E junto a isso, foi criado o Consórcio Enterprise Ethereum Alliance, que conta a com participação inicial de 30 dos mais influentes integrantes da Indústria de finanças, tecnologia, e startups de Blockchain.

O Blockchain faz parte da estratégia de transformação digital da Microsoft.

Paro acrescenta; “A Microsoft é um dos participantes desse grupo, cujo objetivo é endereçar a questão da interoperabilidade entre os diversos Blockchains privados. Tanto o Corda, via Consórcio R3, quanto o Hyperledger, possuem ou participam de iniciativas parecidas”.

A IBM segue por uma linha onde aposta no tipo de redes de negócios fechadas e licenciadas, contando com participantes conhecidos e governança coordenada entre eles.

Para Jeronymo, sempre existirão várias plataformas, cada uma com uma função específica. “Haverá empresas usando mais de uma rede e é possível que, no futuro, seja necessário algum tipo de integração entre plataformas. Mas não acredito que nenhuma vá se impor como padrão”, comenta o especialista a IBM.

Um dos dez maiores provedores de soluções de Datacenter e Telecomunicações de TI para a economia brasileira, o Grupo Cimcorp, conta com clientes membros de altos escalões da comunidade empresarial brasileira e órgãos governamentais.

Coprodução

Agentic Group é uma federação mundial de mais de 40 empresas ligadas ao Blockchain e um dos maiores consórcios deste tipo no mundo. Com suas conexões internacionais entre empresas, com líderes de opinião no mundo das moedas digitais e Blockchain, o Agentic Group está promovendo uma diversificada gama de renomados especialistas em Blockchain, vindos de startups, multinacionais, ONG´S e academias.

Chamber of Digital Commerce é a associação representada pela indústria de ativos digitais e Blockchain. Seu objetivo é promover a aceitação e o uso de ativos digitais e de tecnologias baseadas em Blockchain.

Por meio da educação, advocacia e trabalho com estreita colaboração com os formuladores de políticas, agências reguladoras e da indústria, tem como missão desenvolver um ambiente que gere a inovação, o emprego e o investimento.

Leia também  Nova Exchange brasileira! Taxa zero até 10 de Janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×